Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 Tempo quaresmal  culmina na Pascoa da ressurreição dos crentes católicos passou.Para mim  efeméride marcante destas festividades repousa nos idos da infância.Tal qual  inicio do evangelho,e dos meus sermões infantis , parte notável das minhas travessuras, começarei assim :

Naquele tempo, quaresma marcava  quotidiano da vila de Pampilhosa da Serra, a noite o sino grande da torre tocava  chamando  fieis a dedicarem  oração as almas do purgatório , especialmente as mais abandonadas ,  esquecidas dos viventes.O  toque da campana ecoando no escuro da treva nocturna, infundia respeito.o templo paroquial com altares e santos envoltos em panos pretos,quando entrava, apertava  meu pequeno coração com tanta tristeza. A noite  via sacra, o povo a rezar virado para as predes onde pendiam quadros representando  estações do caminho de Cristo em direcção ao martírio da crucificação.  Outro momento impressivo e solene mulheres agasalhadas xailes negros tapando cabelos lenços , ou véus da mesma cor,  homens catadura grave , alguns com cabeções igualmente negros.Tudo tristeza e amargura.

As procissões da Semana Santa, Com imagens faces quase humanas,  Venerando Senhor dos Passos , Nossa Senhora da Soledade  durante todo ano ,guardados na igreja da misericórdia,saiam em andores solenes, só de contemplar,sentia vontade de chorar; ensinavam  a causa daqueles faces de sofrimento eram meus pecados, em abono de verdade, não sabiam quais eram, melhor sabia mentir era pecado,  ver raparigas tomar banho na ribeira só de  combinação, escondido , nas videiras na parede do chão grande da quinta dos Silvas em  Vale Covo , também seria pecado grave...

 Sermão do encontro , quando as imagens do senhor dos Passos e Nossa Senhora da Soledade, com  alvo pano nos braços , se encontravam na esquina das ruas da quinta e ribeiro , a entrada da Praça.  o senhor Padre proferia empolgado e convincente sermão, a maioria do povo presente , até eu vertíamos lágrimas sentidas de remorso e arrependimento dos pecados que tanto mal causavam as divinas criaturas.

Sábado da Aleluia  dez  horas da manhã tudo mudava , repicava o sino anunciando a ressurreição do Senhor,   malta corria pela artérias do burgo, e gritava "Alelua , Alelua, amêndoas cá para  rua".

Começava  fase Pascal que  gostava, ruas varridas cobertas com alecrim juncos e rosmaninho , esterqueiras  cobertas com mato recem roçado;colocados  nas janelas vasos  onde se havia semeado trigo, agora estava viçoso e verde, alegoria do pão, de reminiscências hebraicas.Tudo preparado para  passagem  no Domingo de Páscoa da Cruz do Senhor visitava , casa dos paroquianps.

Em vale Covo avô matava cabrito que avó Emília assava no forno onde ao mesmo tempo  cozia  broa   pão de ló e folar para dar as afilhadas.Eu recebia sempre folar da madrinha e minha tia Maria

 

Era assim  em dois tons a Páscoa da minha infância, num recôndito cantinho de Portugal ,  longe de tudo, não muito propicio a grandes alegrias.Confesso  apesar de tudo passei tempo de   encantamento,como prova a "escritura " aqui deixo.Aleluia

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:35



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D