Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

aguadouro

Pampilhosa da Serra - Roteiro dum "futrica"

aguadouro

Pampilhosa da Serra - Roteiro dum "futrica"

12.Set.20

PAMPILHOSENSE COMPANHEIRO DE HENRIQUE CARVALHO; EXPEDIÇÂO A LUNDA ANGOLA FINAIS DO SÉCULO XIX

Júlio Cortez Fernandes

Tudo começou no casamento  realizado  na igreja São Martinho do Fundão, dia de Natal de 1865, entre João Baptista de Castro, e Dona Mariana Adelaide Osório de Castro Cabral Albuquerque; ele de 21 anos , solteiro natural do concelho de Alfandega da Fé , distrito de Bragança,filho de abastados proprietários rurais, estudante do terceiro ano do curso jurídico na Universidade de Coimbra, na urbe coimbrã residia na rua do Forno.

Ela de 23 anos, solteira, residente a Rua Direita, Fundão, natural da freguesia de São Jorge de Arroios,Lisboa, e filha legitima do Tenente General do Exército José Osório de Castro Cabral de Albuquerque, natural de Algodres, Celorico da Beira, comandante do destacamento militar fundanense. O enlace nesta data aproveitando, férias escolares natalícias do noivo.

Foram residir para Coimbra, onde em 1868, nasceu primeiro filho baptizado Alberto. Concluído curso ,feito  necessário estágio, João Castro, seria colocado, Na vila de Pampilhosa da Serra, como juiz conservador notarial, influencia dos Neves e Castro, parentes, da esposa. A permanência na vila seria aproximadamente dois anos ; durante esse período, a família aumentada com outro rebento, um rapaz  nasceu na Pampilhosa a 26 de Setembro de 1869. Baptizado na Igreja Matriz da Vila 1 de Novembro do mesmo ano,  padrinhos seriam o Prior do Fundão e Dona Joana Baptista de Castro, tia do baptizando. Todavia ambos foram representados no acto, por D. Lutegarda da Costa Cabral  e reverendo prior ambos residentes na Pampilhosa.

Segundo apurei durante  estadia na Pampilhosa o bacharel João de Castro e Dona Mariana Cabral Albuquerque, residiram na  " casa branca ", pertença dos Neves e Castro.

A Pampilhosa não era sitio propicio para quem desejava progredir na carreira e na vida, assim mudaram-se para Mangualde, onde permaneceram durante mais de vinte anos,  naquela vila nasceu o ultimo filho do matrimónio , uma menina, Ana Castro Osório,  viria a ser escritora e activista política de grande prestigio.

No decurso da carreira profissional,Dr. Osório Castro foi viver em  Setúbal.Nesse tempo ocorreu em Angola, uma importante expedição, comandada Henrique Carvalho, com objectivo de cartografar a região da Lunda e aprofundar relações entre o Reino de Portugal o Mutiânvua,antiga designação das terras da Lunda.

Henrique de Carvalho, quando retornou a Lisboa,moveu " céu e terra "  fosse criado  distrito da Lunda, que conseguiu, ficando inicialmente sede daquela divisão administrativa em Malange.

Realizados os intentos regressando Angola, iniciou nova expedição, a Lunda, para a qual seria escolhido o nosso patrício,entretanto havia rumado a África como militar, e com  patente de Alferes, prestando serviço em Luanda.Pelas boas referencias que dispunha Henrique de Carvalho, escolheu, João Osório Castro, para servir  sob as suas ordens no novo Distrito. Confiando ao jovem oficial, a responsabilidade de conduzir  coluna de 14 colonos e cinco condenados a degredo, para novo Distrito,

O percurso feito grande parte a pé,com grandes dificuldades ultrapassadas com competência e valentia. Henrique de Carvalho, confiou-lhe  comando dos postos de Cafuxi,também conhecido por de Ferreira do Amaral, e Quela ou de Ferreira de Almeida,

A actuação  mereceu rasgados elogios de Henrique de Carvalho, em carta que dirigiu ao general tio de João Osório, faz apreciação muito positiva da acção do sobrinho. Infelizmente o nosso conterrâneo adoeceu sendo estado de saúde ser muito débil , teve regressar Portugal,

Felizmente recuperou, vindo a casar em Setubal , 26 de Setembro de 1898, com D. Maria Rosa Soares Pereira Osório de Castro.Refez  vida profissional,ingressando na carreira de oficial de Justiça, quando faleceu desempenhava cargo de chefe da 4ª secção da 3ª vara  judicial do tribunal lisboeta da Boa- Hora.

Um dos seus filhos, Jerónimo Osório de Castro; engenheiro , fundou e dirigiu até ao precoce falecimento, uma inovadora unidade  de fabrico de artigos em aço inoxidável, material para onde inventou soldadura por si patenteada , em Mafra ; a Câmara Municipal atribuiu o seu nome  a uma artéria da localidade.

A mãe deste nosso ilustre conterrâneo, foi personalidade de grande prestigio social e político, feminista, ajudou  fundar a  "Obra Maternal ", de protecção a parturientes e crianças, com a qual viria a colaborar outro pampilhosense Dr.Tudela de Castro sobre quem já escrevi deste sitio.

Resgatei do olvido  notável patricio, poucos sabiam até agora nasceu na Pampilhosa da Serra.Erradamente é sempre referido como natural de Mangualde. Fica reposta  verdade,  como prova irrefutável deixo extracto do  assento de óbito.Mais um motivo de orgulho para a nossa querida terra , ter sido berço de alguém, serviu a Pátria e honrou  suas raízes.

socastro.jpg