Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

aguadouro

Pampilhosa da Serra - Roteiro dum "futrica"

aguadouro

Pampilhosa da Serra - Roteiro dum "futrica"

29.Dez.20

" IN MEMORIAN "

Júlio Cortez Fernandes

 Problemas de saúde, complicados deixavam antever desenlace fatal, a qualquer instante: apesar disso,recebi com muita mágoa noticia do falecimento de José Henriques Cortez e Cunha.

 Ilustre conterrâneo, nosso parente, também interessado e apaixonado pelo passado histórico da nossa terra, para divulgação do qual, escreveu vários textos , no antigo Jornal Correio da Serra, dirigido pelo saudoso Padre Carlos Borges.

Lembrança mais remota, retive do Zé Cunha, foi quando entrei para escola primária, já ele andava na terceira classe ,  sentava-se na carteira com outro querido amigo, o Júlio Simões, actual ilustre respeitado clérigo , da igreja paroquial de Alvares.

Depois ao longo da vida tive oportunidade de conversar muitas ocasiões com ele, admirei sempre a  peculiar forma de exprimir num português escorreito e  musical, próprio de alguém  formado no Liceu, Universidade  e vida, no  ambiente singular da cidade Coimbrã.

Culto, de apurado sentido musical, Zé Cunha, foi uma personalidade relevante da vida Pampilhosense.

Autarca distinto muito interessado, na actividade do Município, seria igualmente figura importante da direcção distrital do seu Partido Político.

Dele guardo boas recordações,certa ocasião compareci na Assembleia Municipal, expor problema, para a resolução do qual pretendia , chamar atenção. Lembro quando levantei, para intervir, ele me surpreendeu, com  " olá Júlio, diz lá qual é o problema, sem formalidades ". A questão seria resolvida, muito mais tarde, fora do tempo.Isso não interessa.

Quando no exercício da sua actividade médico, em Avelar , e Cantanhede , uma ou duas ocasiões necessitei de lhe solicitar atenção para determinada questão relacionada com a minha actividade profissional; rápida e diligentemente se interessou para me ajudar.

 Comigo foi sempre solidário,  também gostava de perguntar quando nos encontrávamos, na Vila, " então Júlio como vão as tuas pesquisas sobre a história da Pampilhosa ? ".

A doença, ultimamente padeceu, teve resultado, perder memória.Infelizmente, nunca mais voltamos a conversar .

Guardarei até ao fim memoria do estimado e muito querido Zé Cunha, médico, musico, homem culto , político autarca,  acima de tudo, inesquecível companheiro de muitas tertúlias nas tardes no antigo Café Central, jamais esquecerei.

Para o António , e Carlos, seus irmãos  também meus queridos amigos, deixo abraço solidário neste tão infausto transe.

Descanse em paz.

rosa.JPG