Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

aguadouro

Pampilhosa da Serra - Roteiro dum "futrica"

aguadouro

Pampilhosa da Serra - Roteiro dum "futrica"

29.Jun.20

FESTA BENÇÃO DA NOVA IGREJA DA VILA: FOGO DE ARTIFICIO DUROU UMA HORA.

Júlio Cortez Fernandes

No tempo de menino, logo que aprendi as primeiras letras, comecei a soletrar as gravadas na porta principal da igreja paroquial da vila e o ano nela igualmente esculpido 1911.

Prometi, que um dia iria saber o significado de tudo aquilo. Diziam-me ser aquele o ano da inauguração do novo templo, edificado em substituição  do destruído pelo fogo em 1907, não fiquei convencido!  Procurei saber tal qual  deveria ter passado. Cheguei lá, aqui para nós, pensei guardar a  "descoberta" para mim.

Neste espaço, decidi deixar  resultado do labor intelectual, a será ,eventualmente, útil para todos.

O reverendo Urbano Cardoso Pároco da Pampilhosa, tragicamente falecido, não pode assistir a tão relevante acontecimento, para concretização tanto pugnou. No dia 14 de Agosto, muito quente durante o dia e orvalhado e fresco de noite, uma quarta-feira, iniciaram-se as festividades da sagração da Igreja Matriz.

A diocese de Coimbra com o Bispo exilado, governada por cónego, não se fez representar no acto. A Pampilhosa da Serra, desde longa data, parece ser terra onde as autoridades, sejam civis ou religiosas, primam pela ausência nas ocasiões importantes.

A comissão encarregue de organizar o evento, contou com grande apoio do povo e das personalidades católicas, garantindo meios suficientes para  solenidade em forma, e assim  "vingando" a afronta da festa de Santo António  de que  dei nota aqui.

Pela  meia noite de 14 tocou e tocou a Filarmónica da Vila, junto do templo,  repicando pela primeira vez os sinos do campanário. A partir do alto da torre, foi lançada  girândola estripitosa de foguetes.

No dia 15 de Agosto, houve alvorada com foguetório e música. E procederam a bênção da Igreja, o Prior da Pampilhosa e o pároco de Alvares, reverendo Manuel Fernandes das Neves e o pároco de Machio, reverendo José Lourenço Antunes de Almeida.

Seguidamente a Irmandade do Santíssimo Sacramento, o Prior reverendo Dr. Augusto Lima, a banda, e as crianças da primeira comunhão foram esperar  a entrada da Vila, no sitio das Fontainhas as imagens de São João vinda da aldeia de Soeirinho, Santa  Eufémia da aldeia da Povoa a que juntaram a de Nossa Senhora e São Sebastião da Vila. O cortejo dirigiu-se à Igreja da Misericórdia.

A partir da Misericórdia, conduziram em procissão o Santíssimo Sacramento, para a nova Igreja, onde foi exposto no seu trono a adoração dos fiéis, que  enchiam completamente o templo, apesar de amplo. Estava todo ornamentado a preceito, profusamente iluminado, era tal a surpresa, presentes ficavam boquiabertos.

Depois da celebração da Santa Missa, cantada a grande instrumental, com participação da música, iniciou-se a procissão tão imponente,  que nunca se vira outra assim na nossa terra. Percorreu as ruas da Vila, engalanadas de verduras arcos e flores, estando chão atapetado de fetos, alecrim, rosmaninho e urze.

Terminadas as cerimónias religiosas iniciaram bailes e descantes, onde participaram milhares de pessoas vindas da Freguesia, todo Concelho de Pampilhosa da Serra e vizinhos de Oleiros e Góis.

Segundo diziam devem ter assistido as memoráveis festas, mais de 2000 pessoas; sem forças de policiamento não houve qualquer desacato.Todavia estaria para acontecer algo  levaria a multidão ao delírio quase loucura!

Às duas horas da manhã do dia 16, seria lançado fogo de artificio da responsabilidade de pirotécnico da Sertã; durou até  às 3 da manhã! No final  a emoção  visível no rosto de todos; na Pampilhosa existia finalmente Igreja condigna, na época a mais ampla e vistosa desta região da Beira. 

É costume dizer-se que: "a vingança  se serve fria", neste caso, os católicos, os adeptos da Monarquia, e republicanos moderados deram lição aos republicanos funamentalistas, do burgo. Infelizmente, como veremos ainda a procissão ia no adro.Vou continuando..Foto da Igreja volta 1920.

igreja inicio.jpg