Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

aguadouro

aguadouro

18.Abr.18

SITIO MISTERIOSO E MÀGICO - ARRABALDE DA PAMPILHOSA : VALE DA MAIA

Há um dia para tudo, hoje resolveram atribuir efeméride a sítios e património.Recordo a propósito  lugar próximo da vila da Pampilhosa, pouco adiante da quinta da Feteira,onde habitantes da aldeia da Póvoa possuíam fazendas ou hortas, como designamos por estas bandas  pequenas courelas de cultivo de " primores" agrícolas , destinados a consumo próprio: Vale da Maia,assim apelidado o rincão.Lembro  primeira vez lá passei , na beira do caminho poeirento ,vi  cruz de ferro,  CRUZ DO VALE DA MAIA,algumas vezes citada pelos saudosos defuntos  avô, paterno,Joâo Carloto, e meu pai, referencia e poiso de resineiros no tempo da servidão que caracterizou durante décadas  quotidiano da gente serrana.

Lugar emblemático,emoldurado pelas cumeadas da Toita e Decabelos.No século XIX , o Vale da Maia,seria habitado, próximo ficava outro casal,chamado o Escaldado, também desaparecido.

O topónimo,sempre alimentou fantasiosas definições, procurei saber  significado, diziam  Maia, estava relacionado com as antigas festas das maias , realizadas pelos pastores durante  mês de maio para assinalar  regresso dos rebanhos as pastagens das alturas da montanha, e pedir aos "deuses"  dádiva de  bom ano pastoril.

 Neste local pastores e rebanhos, juntavam-se antes de subirem as encostas onde  mato recente de urze e carqueja, a erva alpestre, eram prenuncio de fartura para o gado , e muito leite e queijo.Estas celebrações de origem pagã,foram "domesticadas" nos rituais cristãos, para o Vale da Maia,afluíam rebanhos e pastores da Vila da Pampilhosa , aldeias da Póvoa ,Decabelos, Pescansecos e também dos senhores do "morgadio da quinta da Feteira", com finalidade  serem benzidos,pelo pároco da freguesia, normalmente , dia de Santa Cruz, inicio de Maio.

Os rebanhos senhoriais ficavam nas terras do "morgadio", os do povo, subiam para os cumes onde terrenos baldios propriedade do concelho eram utilizados colectivamente.Não existindo no sitio capela;  onde o "prior" procedia a "bênção" dos animais , ficava assinalado com uma cruz, no principio  de "madeira"  posteriormente para garantir maior durabilidade, alçaram no topo de pequena colina no cruzamento de caminhos, cruz de ferro.Não sei ainda existirá,no entanto,  na memória quedará, CRUZ DO VALE DA MAIA,símbolo da fé e tradição de povo de pastores , do qual orgulhosamente descendo.Sitio mágico património de todos Pampilhosense.Na foto a cruz ficava, sensivelmente, próximo do cruzamento de caminhos no centro da imagem.

PA095908.JPG

 

 

 

03.Abr.18

PASCOA TONS DE CLARO ESCURO ; DÉCADA 1950 PAMPILHOSA DA SERRA

 Tempo quaresmal  culmina na Pascoa da ressurreição dos crentes católicos passou.Para mim  efeméride marcante destas festividades repousa nos idos da infância.Tal qual  inicio do evangelho,e dos meus sermões infantis , parte notável das minhas travessuras, começarei assim :

Naquele tempo, quaresma marcava  quotidiano da vila de Pampilhosa da Serra, a noite o sino grande da torre tocava  chamando  fieis a dedicarem  oração as almas do purgatório , especialmente as mais abandonadas ,  esquecidas dos viventes.O  toque da campana ecoando no escuro da treva nocturna, infundia respeito.o templo paroquial com altares e santos envoltos em panos pretos,quando entrava, apertava  meu pequeno coração com tanta tristeza. A noite  via sacra, o povo a rezar virado para as predes onde pendiam quadros representando  estações do caminho de Cristo em direcção ao martírio da crucificação.  Outro momento impressivo e solene mulheres agasalhadas xailes negros tapando cabelos lenços , ou véus da mesma cor,  homens catadura grave , alguns com cabeções igualmente negros.Tudo tristeza e amargura.

As procissões da Semana Santa, Com imagens faces quase humanas,  Venerando Senhor dos Passos , Nossa Senhora da Soledade  durante todo ano ,guardados na igreja da misericórdia,saiam em andores solenes, só de contemplar,sentia vontade de chorar; ensinavam  a causa daqueles faces de sofrimento eram meus pecados, em abono de verdade, não sabiam quais eram, melhor sabia mentir era pecado,  ver raparigas tomar banho na ribeira só de  combinação, escondido , nas videiras na parede do chão grande da quinta dos Silvas em  Vale Covo , também seria pecado grave...

 Sermão do encontro , quando as imagens do senhor dos Passos e Nossa Senhora da Soledade, com  alvo pano nos braços , se encontravam na esquina das ruas da quinta e ribeiro , a entrada da Praça.  o senhor Padre proferia empolgado e convincente sermão, a maioria do povo presente , até eu vertíamos lágrimas sentidas de remorso e arrependimento dos pecados que tanto mal causavam as divinas criaturas.

Sábado da Aleluia  dez  horas da manhã tudo mudava , repicava o sino anunciando a ressurreição do Senhor,   malta corria pela artérias do burgo, e gritava "Alelua , Alelua, amêndoas cá para  rua".

Começava  fase Pascal que  gostava, ruas varridas cobertas com alecrim juncos e rosmaninho , esterqueiras  cobertas com mato recem roçado;colocados  nas janelas vasos  onde se havia semeado trigo, agora estava viçoso e verde, alegoria do pão, de reminiscências hebraicas.Tudo preparado para  passagem  no Domingo de Páscoa da Cruz do Senhor visitava , casa dos paroquianps.

Em vale Covo avô matava cabrito que avó Emília assava no forno onde ao mesmo tempo  cozia  broa   pão de ló e folar para dar as afilhadas.Eu recebia sempre folar da madrinha e minha tia Maria

 

Era assim  em dois tons a Páscoa da minha infância, num recôndito cantinho de Portugal ,  longe de tudo, não muito propicio a grandes alegrias.Confesso  apesar de tudo passei tempo de   encantamento,como prova a "escritura " aqui deixo.Aleluia