Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

aguadouro

Pampilhosa da Serra - Roteiro dum "futrica"

aguadouro

Pampilhosa da Serra - Roteiro dum "futrica"

19.Fev.20

DIA QUE ARDEU IGREJA MATRIZ DE PAMPILHOSA DA SERRA

Júlio Cortez Fernandes
Na terça-feira 19 de Fevereiro de 1907, pelas 11 horas  da noite o templo sede da freguesia de Nossa Senhora do Pranto, diocese de Coimbra, foi rapidamente consumido pelas chamas de pavoroso incêndio, perante estupefacção do bondoso e respeitado pároco padre Urbano:  A maioria da população dormia, frio intenso convidava as pessoa a fugirem da rua, a Vila parecia um ermo, ninguém acorreu tentar debelar o sinistro, segundo consta o que devia ser salvo já havia sido retirado (...)
17.Fev.20

A BATALHA DO GAVIÃO AGOSTO DE 1940

Júlio Cortez Fernandes
Há oitenta anos, primórdios da segunda guerra mundial, tempo de dificuldades económicas, e penúria alimentar, no concelho de Pampilhosa da Serra,decorriam  obras importantes dando emprego a centenas de trabalhadores. oriundos de todos cantos de Portugal,  acorriam as serranias da Beira , em busca de trabalho,que garantisse  pão , nem que fosse  o que " diabo amassou". A empreitada de construção da estrada nacional 40-2ª , ligação Pampilhosa a Castelo Branco, estava em (...)
11.Fev.20

ASSALTO A TESOURARIA DA CÂMARA

Júlio Cortez Fernandes
  No Outono de 1932, inicio de Novembro,um acontecimento sacudiu pacato quotidiano do burgo pampilhosense. A tesouraria da câmara municipal foi assaltada da gaveta foram subtraídas 20 notas ou seja dois contos de reis , conta calada para a época, se pensarmos  o salário de um trabalhador era 8$00 , por dia; 20 notas seria preço de uma junta de bois. Lembro " nota " era designação popular da cédula de 100 escudos. A tesouraria funcionava onde morava, a tesoureira na companhia (...)
06.Fev.20

CALCORREANDO CONCELHO - MEÃS

Júlio Cortez Fernandes
Este mês começou quente e seco, fazendo meditar no antigo aforismo "Fevereiro quente traz o diabo no ventre ". Oxalá não passe disso mesmo de um provérbio, pelo sim pelo não , quedemos atentos. Por falar em atenção, no distante Fevereiro de 1965, tive de deslocar-me a Pampilhosa, por motivo relacionado com recenseamento militar, na altura,implicava  começar  preocupar-me com  possibilidade  de  "malhar com o corpo " na guerra  colonial. Felizmente fiquei por cá... Nessa (...)
31.Jan.20

MEMÓRIAS DA VILA JANEIRO 1965

Júlio Cortez Fernandes
Por estas bandas onde resido , hoje está dia típico de Inverno,sem sol tudo    "sapado" por via do nevoeiro intenso, não faz muito frio, enfim tempo aborrecido. Para dar alguma utilidade, embrenhei nos amarelecidos papeis da minha exígua " torre do tombo ". E deparei com novidades do burgo natal, algumas delas  dizem -me algo. Nesta altura aos 89 anos de idade , falecia o homem mais idoso da Vila, Sr. César Nunes , que viveu no Vale Signo Samo, era viúvo da Ti Martinha Barata Nunes. (...)
20.Jan.20

ASSINALANDO ANIVERSÁRIO DE UM HOMEM ADMIRÁVEL

Júlio Cortez Fernandes
José Lourenço Antunes de Almeida, ilustre pároco da freguesia de Vidual, nasceu a 20 de Janeiro de 1884, na desaparecida aldeia de Vidual de Baixo, submersa pelas águas da Barragem de Santa Luzia, por vontade política da ditadura e ambição de lucro desmedido de meia dúzia de capitalistas. Filho legitimo de António Lourenço, vendedor ambulante e natural de Folques concelho de Arganil e de Josefa Antunes , costureira, natural do lugar de Vidual de Baixo, neto paterno de Joaquim (...)
15.Jan.20

OS "GALEGOS" DE LISBOA

Júlio Cortez Fernandes
Os típicos tarefeiros do quotidiano lisboeta, das primeiras décadas do século passado, eram popularmente denominados por: "Galegos". Durante muito tempo, desde meados do século XIX - 1927 nas esquinas e chafarizes de Lisboa paravam  "aguadeiros", à espera de fregueses para levarem água transportada num barril de madeira ao ombro para casas dos andares mais altos dos prédios, onde não chegava a água ao domicilio. Nas esquinas estacionavam também os  "moços de esquina", cuja (...)
11.Jan.20

INAUGURAÇÃO SEM MUSICA

Júlio Cortez Fernandes
Num dia que se apresentava esplendoroso,mal grado estarmos em Novembro,  Pampilhosa da Serra,foi palco de importante  acontecimento histórico: inicio da carreira de autocarros  Coimbra - Castelo Branco. Em pleno Verão de São Martinho,quinta-feira, 13 do citado mês no distante 1952,pouco depois ter batido  no relógio da igreja matriz  meia hora das 8 da manhã, surgiram vindos do lado de Coimbra dois reluzentes autocarros;estacionaram no largo do mercado, onde apesar ser (...)
09.Jan.20

CASA DA PORTELA

Júlio Cortez Fernandes
Nas recordadas memórias da infância uma paisagem amiúde surge e povoa a planície sem fim por onde se estende a minha saudade. Numa das colinas da margem direita da Ribeira de Moninho  pouco acima da foz da Ribeira da Póvoa, na prolongada curva no fim da recta  seguir a ponte a estrada nacional 112 Pampilhosa - Portela do Vento, descreve avista-se panorama grandioso de onde sobressaem os antigos terrenos de cultivo verdejantes, agora quase todos de pousio, mais (...)
26.Dez.19

TEMPO DE MUITA ESPERANÇA

Júlio Cortez Fernandes
Novembro de 1939, grandes dificuldades em todo mundo, e profunda crise social económica para as gentes da Pampilhosa. Depois dum prolongado tempo de invernia,houve melhoria nas condições atmosféricas, que permitiram inicio da colheita da azeitona, por ser abundante, iria aliviar a situação de muitos lares. Na vila ,falava-se com preocupação do estado de saúde do notário Eduardo Carlos acometido de ataque coração que deixou as portas da morte.Dizia-se (...)