Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O TRONO E O ALTAR

por Júlio Cortez Fernandes, em 30.01.17

Implantada a República a 5 de Outubro de 1910,durante décadas nos sítios recônditos e isolados do País permaneceu viva simpatia do povo pela monarquia. Assim  foi no concelho de Pampilhosa da Serra.Em 1910 não existiam republicanos conhecidos naquele concelho. Os primeiros administradores do Município vieram de fora, porque os directórios partidários não confiavam em ninguém da terra.Com decorrer do tempo filiaram-se ou manifestaram simpatia pelos partidos republicanos, pessoas como Eduardo Carlos , o nosso avô materno, o seu cunhado "Gerúndio". marido da Tia Glória, o Tio Benjamim Martins, e poucos mais.

O clero permaneceu, na totalidade, fiel a monarquia,não admira em 1932, quando faleceu no exílio o ultimo rei de Portugal , Dom Manuel II, se verificassem no concelho manifestações de pesar pelo acontecimento.O monarca faleceu  a 2 de Julho de 1932 na Inglaterra.

 Na ocasião do trigésimo dia do falecimento ,o pároco das freguesias de Unhais - o - Velho e Vidual, reverendo padre José Lourenço Antunes de Almeida, tomou  iniciativa de celebrar missa de "Requiem e Libra-me", em sufrágio da alma do monarca.Anunciado com antecedência . acto realizou-se terça -feira 2 de Agosto de 1932.

A igreja do Vidual, repleta de fieis trajando todos de luto carregado,presentes as pessoas mais gradas da freguesia. O sr. padre na "sua palavra fluente e clara que tão bem sabia pender os ouvintes " (sic)., fez o elogio fúnebre de Dom Manuel II,realçando a sua acção no exílio,e condição de fervoroso católico. A missa decorreu com solenidade acompanhada a instrumental por elementos da banda filarmónica de Cebola, hoje S. Jorge da Beira.

Ironia do destino, padre José Lourenço,na luta travada em defesa do povo da aldeia Vidual de Baixo, contra a Companhia Eléctrica das Beiras,exigindo pagamento de justa indemnização pelos prejuízos causados com a construção da barragem de Santa Luzia, teve como ferrenho opositor o Conselheiro Fernando de Sousa,monárquico assumido, católico fundamentalista,este personagem em artigos publicados na imprensa da época,ridicularizou   acção do Padre. Em questões de capital,não há consideração por ninguém.

A influencia dos párocos sobre os paroquianos teve grande influencia para manter aceso o ideal monárquico. Monarquia absoluta reclamava origem divina do poder real.O Miguelismo e Salazarismo moldaram a mentalidade do povo serrano.O trono e o altar foram os pilares onde a elite dirigente se apoiou para manter o domínio sobre a plebe , ate que, os humildes resolveram abalar, e... tudo se desmoronou... 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:02



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D